(11) 3892 2091
Molhos de pimenta da Companhia

Já reparou que não encontramos no mercado molhos de pimentas genuinamente brasileiras?

Encontramos produtos de ótima qualidade, criativos e saborosos. Porém, a quase totalidade destes molhos mais elaborados têm como carro chefe pimentas dos nossos países vizinhos latinos. Vemos Jalapeños, Chipotles e Habaneros. A impressão que fica é que criar um molho sofisticado requer a inserção de um elemento externo para agregar um diferencial ao produto. Por este motivo desacertado, invariavelmente vemos a utilização de pimentas exóticas, que resulta num crescente e desnecessário desprestigio da nossa cultura e história.

Esta dinâmica é uma praxe da sociedade brasileira: a conhecida importação de elementos de diferentes culturas como se fosse um fator que traria superioridade e credibilidade aos produtos industrializados. O problema é que esta prática tolhe o espaço da nossa culinária em sua dimensão milenar. É interessante notar a recente história mercadológica do Açaí e beiju de Tapioca, que tiveram que ser “descobertos” por estrangeiros para então terem o devido reconhecimento e eventualmente adquirirem valor como um produto de orgulho nacional, sendo que outrora tinham importância minimizada por serem oriundos à cultura indígena, coisas que infelizmente ainda temos receio, distanciamento e vergonha.

Faltam molhos que tragam a tona os sabores das pimentas brasileiras, que acabam ficando em segundo plano no rol dos molhos de pimenta. São elas Cumari, Murupi, Cambuci, bode, de cheiro ou mesmo a clássica Malagueta. Não que estas pimentas não sejam encontradas no mercado, e mesmo em forma de molho, mas percebemos que elas são relegadas à conservas, ou molhos simples, com baixo grau de sofisticação. Neste sentido, não encontramos molhos que contenham ingredientes genuínos, característicos das diversas regiões do país.

Ingredientes naturais

Outro fator que causa desconforto em quem tem uma preocupação com o que ingere e regularmente lê rótulos é a profusão de ingredientes não-naturais, tão descaradamente vertidos como coadjuvantes nos frascos de vidro que compramos. Tratam-se de aditivos alimentares como adoçantes, acidulantes, antioxidantes, antiumectantes, espessantes, estabilizantes, aromatizantes, corantes, conservantes, aglutinantes, na grande maioria das vezes produtos industrializados, que são utilizados não por não haver alternativas naturais, mas sim para baratear o custo de produção. Aos consumidores, fica comprometida a liberdade de escolha. Mesmo para aqueles que buscam produtos de origem natural, não encontram facilmente tais produtos.

A Companhia dos Fermentados foi atrás, pesquisou e desenvolveu o molho de pimenta que vem da fermentação lática natural dessas frutas. Há adição do nosso precioso vinagre de hibisco na hora do envase, para diminuir o ritmo da fermentação e eternizar o aroma prazeroso da pimenta. Combina com tudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Companhia dos Fermentados | Resgatando a cultura da fermentação